2021 journal article

Stability and change in native American Indian English: the case of Lumbee English in North Carolina

REVISTA DA ANPOLL, 52(SI), 82–102.

co-author countries: United States of America 🇺🇸
author keywords: Native American English; Tri-ethnic language contact; Oppositional identity; Remnant variety; Language accommodation
Source: Web Of Science
Added: October 18, 2021

Esta descrição considera a variedade do inglês dos índios Lumbee da Carolina do Norte, o maior grupo de Índios Americanos Nativos a leste do Rio Mississippi. Eles perderam sua língua ancestral gerações atrás e viveram em um contexto rural relativamente estável, triétnico e isolado por várias gerações com afro-americanos e europeus americanos. Examinamos duas estruturas morfossintáticas proeminentes, o uso de perfective I'm em I'm a there e a remorfologização de was e were baseadas na polaridade (por exemplo, It weren’t me, e they was here) e um processo fonético menos saliente, a anteriorização da vogal BOOT. As estruturas morfossintáticas indicam traços de uma variedade remanescente regionalizada que diferenciam o Lumbee de suas variedades de grupo. O traço fonético, no entanto, mostra mudanças ao longo das gerações recentes à medida que o Lumbee passa de um alinhamento com Afro-Americanos para um com os Europeus Americanos. Explicamos o realinhamento do traço fonético para longe da Língua Afro-Americana em termos de uma identidade de oposição, na qual o Lumbee mantém sua distinção como um grupo etnolinguístico que não é Afro-Americano nem Europeu-Americano, mas especialmente não é Afro-Americano.